Newsletter

a aa
20 06

Características e comportamento da raça Pastor de Shetland

Publicado em 20 de Jun de 2015 por Marília Alencar Comentar

Brincalhões e muito companheiros, esses peludos encantam a todos com sua beleza, inteligência e expressão doce. Veja mais características da raça Pastor de Shetland

Texto Samia Malas/ Fotos: Shutterstock

Filhotes de Pastor de Shetland

(Foto: Shutterstock)

TEMPERAMENTO

Além de companheiro, meigo, afetuoso e ligado ao dono, Priscyla Taboada Dias da Silva, médica veterinária e criadora do Canil Sheltie’s Shelter, ainda descreve o sheltie como muito brincalhão. “É um companheiro para tudo, desde atividades esportivas até para assistir televisão”, acrescenta, ressaltando a versatilidade da raça. Como possui um instinto de pastoreio mais exacerbado, Priscyla explica que eles podem mordiscar os calcanhares do dono, “mas isso é totalmente passível de correção com adestramento”, garante.

EDUCAÇÃO

Cristiane R. Nanô, do Canil Von Kempten, aconselha que sejam socializados desde filhotes.“Shelties precisam ter seu canto, que é para onde vão quando cansam das brincadeiras, da criançada e quando seu dono sai”, acrescenta. Cristiane ainda ressalta: “Por serem sensíveis, podem vir a ser medrosos. Muitos são. Por isso a necessidade da socialização e correção de comportamentos. Já para os exemplares mais latidores, disciplinar quando estão se excedendo é a solução”, atesta.

Pastor de Shetland

(Foto: Shutterstock)

CUIDADOS

De acordo com as criadoras, os banhos devem acontecer conforme a necessidade, sendo que uma boa média seria a cada 46 ou 60 dias. Já a escovação da pelagem deve ser semanal e feita “com uma escova de pino de aço sem bolinhas, bem como talco ou spray para  umedecer o pelo. Não use rasqueadeira”, ensina Priscyla.

SAÚDE

“Pastores de Shetland são cachorros fortes, saudáveis e rústicos”, comenta Cristiane. No que se refere às doenças a que a raça tem predisposição, Priscyla afirma que algumas linhagens são propensas a desenvolver displasia coxofemoral, doenças oculares e doenças autoimunes. “Porém, acredito que o hipotiroidismo seja a doença com maior incidência no Brasil. O problema não é grave e é passível de controle com reposição hormonal”, completa a médica veterinária. 

ALIMENTAÇÃO

A veterinária Priscyla explica que, como são muito gulosos, a quantidade de ração diária deve ser medida em porções certas, entre 120 g e 150 g por dia.

EXERCÍCIOS

Cristiane aconselha que passeiem, no mínimo, duas vezes ao dia, sendo o ideal três saídas de 15 minutos. “São ativos, mas não ficam buscando o dono para exigir atenção, passeios ou que lhes jogue bolinhas”, ressalta.

Revista Meu Pet/ Edição 12

Comente!