Newsletter

a aa
30 08

Pato de estimação: a ave que adora brincar

Publicado em 30 de Aug de 2017 por Victoria Bassi Comentar

Ótima companhia para crianças, a ave de bico comprido é sociável e se sente parte da família. Confira

Texto Lygia Haydée | Foto Shutterstock | Adaptação web Victoria Bassi

Pensar em ter um pato como bicho de estimação pode até causar estranheza par aalguns. Mas você sabia que esse animal é uma ótima companhia para quem busca um pet? “Não há restrições para a criação de um pato como animal doméstico. A escolha do pet depende da afinidade e identificação que a pessoa tem com essa espécie”, afirma Henri Bentubo, professor do curso de Medicina Veterinária da Universidade Cruzeiro do Sul.

Com o corpo revestido por penas, ele tem um bico muito forte, comprido e espalmado e patas curtas com membranas, semelhantes a barbatanas. “As cores variam em função da raça, podendo ser branco, marrom e com manchas pretas”, explica Marcia Menão, docente do curso de Medicina Veterinária do Complexo Educacional FMU. O animal pode ser adquirido de criadores comerciais com autorização do IBAMA, sendo as raças mais indicadas pato caipira, pato europeu moscovy, gigante alemão e pato-selvagem Cairina moschata, esse último protegido pelo IBAMA.

CUIDADOS DA ESPÉCIE

Para a alimentação, aposte nas rações comerciais específicas, que devem ser enriquecidas com proteína nas cinco primeiras semanas de vida do bicho. Elas podem ser encontradas em casas de produtos agrícolas e em petshops, sendo que as rações peletizadas –aquelas que flutuam na água – são muito bem recebidas. “Não é recomendado dar alimentos de pintinhos, pois não possuem os nutrientes necessários para a saúde dos patos. Água potável e limpa também deve estar à disposição dos animais”, explica o professor Bentubo. Quando a espécie chega à fase adulta, pode ingerir frutas e verduras.

Além disso, é preciso ter alguns cuidados básicos em relação ao ambiente. “O pato precisa ser criado com espaço e com água para suas atividades. Caso não haja um lago na propriedade, uma solução é improvisar um pequeno tanque com água para que ele possa nadar de vez em quando, devendo essa água ser renovada constantemente”, ressalta a especialista.

LAR DOCE LAR

Para que seu pet se sinta em casa, o ideal é que ele more em local com espaço para as suas atividades. As medidas mínimas para um cercado são de 3 x 4 metros de área e 2,50 metros de altura, com teto e paredes para protegê-lo do tempo. Você pode soltá-lo para interagir com a família, mas a orientação dos especialistas é sempre após a brincadeira leválo para esse local seguro e oferecer bastante carinho, assim, ele passará a voltar para o viveiro voluntariamente. Outro cuidado importante a ser tomado diz respeito aos vizinhos, pois esses são animais que vocalizam bastante. “Recomenda-se cautela ao criá-lo em áreas residenciais. O barulho pode incomodar algum morador”, alerta Bentubo.

VIDA E CONVIVÊNCIA

O convívio com os donos deve iniciar no nascimento do animal. “Em geral, o bicho considera como figura materna a primeira pessoa ou animal que vê ao sair do ovo, não importa a espécie. Por isso, é importante que, além de ter contato com diferentes pessoas, ele seja condicionado a associar o ser humano com algo positivo em sua vida, como alimentação, companhia e diversão. Assim, ele o reconhecerá como um membro de sua família”, aconselha Bentubo.

Apesar disso, patos costumam ser independentes e poucos são criados como pets. “É importante fazer a adaptação ao ambiente, pois eles são aquáticos. A partir daí, passe a interagir normalmente”, diz Marcia.

Pato também pode ser uma ótima escolha para brincar com as crianças, pois é cheio de energia e adora atenção. Contudo, essa interação deve ser sempre supervionada..

APRENDA A INTERAGIR

Para proporcionar qualidade de vida ao seu pato, estimular sua inteligência e passar ótimos momentos ao lado dele, leve em consideração as atividades que vocês possam praticar juntos como “nadar na piscina, brincar de perseguição, só trocar carinhos...”,sugere Bentubo. Além disso, dê um nome ao seu pet, pois a ave ouve bem e responde aos sons. Dessa forma, apenas conversar aumentará o laço entre vocês. “E ele também pode obedecer a alguns comandos”, lembra. O segredo é descobrir o petisco que seu pato mais ama e adaptar os truques que ensinamospara os cachorros de forma que eleentenda e seja capaz de realizá-los.

Revista Meu Pet Ed. 49

 

Comente!