Newsletter

a aa
29 01

Tipos de medicamentos para animais de estimação

Publicado em 29 de Jan de 2015 por Marília Alencar Comentar

Descubra quais são os tipos de medicamentos disponíveis no mercado para pets e suas vantagens

Texto Barbara Freire/ Foto: iStockphoto

Cãozinho

(Foto: iStockphoto)

Para administrar os remédios de seu pet em casa com segurança, é preciso verificar, primeiro, quais as opções disponíveis no mercado, se o animal não aceitar ingerir o medicamento simplesmente pela boca. Assim, ler a bula e consultar o médico veterinário são ações indispensáveis paraconhecer as especificidades do remédio, como, por exemplo, se pode ser dado juntamente com alimentos ou se uma cápsula pode ser amassada ou triturada. “Em muitos casos é possível misturar medicamentos com a ração ou envolver em algum alimento que chame a atenção do animal, como requeijão”, ensina Marcel Pereira. A seguir, listamos algumas vantagens dos diferentes tipos de medicamento específicos para animais de estimação e encontrado sem farmácias e pet shops:

Pílulas, comprimidos e drágeas: O mais indicado é introduzi-los quase que na garganta do animal, de preferência sobre a língua, na parte mais profunda da boca. “É possível triturar os comprimidos em certos casos, porém é importante verificar essa possibilidade com o veterinário, pois alguns podem conter um revestimento açucarado para disfarçar o sabor que seria inutilizado no esmagamento”, aponta Marcel.

Cápsulas: O procedimento paradar cápsulas deve ser o mesmo das pílulas, comprimidos e drágeas. A diferença é que as cápsulas não devem ser quebradas ou amassadas, pois podem ser alteradas as dosagens do medicamento ou a forma como o organismo absorverá aquele fármaco.

Suspensão: Às vezes, remédios líquidos podem ser misturados à água. Por isso, é importante ler a bula do medicamento e pedir orientação ao veterinário para avaliar essa hipótese. O uso de seringas (sem agulha) pode facilitar a administração por via oral. “É importante não deitar o animal para que não haja risco de broncoaspiração”, alerta Cláudia.

Revista Meu Pet/ Edição 12

Comente!